CAPELANIA NAS ESPRESAS

Escrito por Marcelo M. Guimarães

               

Introdução

 

            O pastor ou padre capelão sempre foi de grande utilidade nas corporações militares das forças armadas e na polícia civil, quer em tempos de guerra, quer em tempos de paz nos quartéis. Este elemento, normalmente um teólogo experimentado, cuida dos aspectos espirituais, aconselhando e fortalecendo a fé do indivíduo e do grupo em momentos difíceis, ressaltando e encorajando sempre os valores morais e pontos importantes da doutrina cristã.

Este líder espiritual também é até hoje de grande valia nos hospitais e casas de saúde, onde ele presta serviços de aconselhamento espiritual ao enfermo, confortando-o e animando-o, bem como à família deste em situações de risco de morte.

 

Mas, por que as empresas brasileiras nunca utilizaram deste capelão para atender e assistir seus funcionários, uma vez que mais de 80% da população brasileira se diz cristã, professando sua fé em Deus e nas Escrituras Sagradas? (pressupõe-se que este percentual seja o mesmo nas empresas brasileiras)

 

Muitos dos problemas dos funcionários são de origem espiritual e podem ser resolvidos através de orientações pastorais, orações e aconselhamentos.

 

O elemento fundamental de uma empresa ainda é o insubstituível homem, dotado de uma inteligência racional, de um coração sentimental e de uma alma ávida por sucesso e esperança. Nele está todo o potencial e capacidade de trabalho produtivo e criativo, nele repousa o fracasso ou sucesso que se expressam através de sua crença e de seus valores espirituais, quer de uma maneira mais ou menos intensa, o homem se interage, diretamente ou indiretamente, com este Ser Criador e Todo Poderoso, Deus.

 

Este projeto de Capelania Empresarial quer despertar a empresa para investir na fé do homem, no coração dele. De que vale um avançado programa de redução de custos, racionalização e automação industrial, da alta tecnologia administrativa se o elemento humano, por mais tecnicamente preparado que esteja, estiver descrente, desencorajado, abatido, inseguro e sem temor do mal e dos valores morais? Como evitar o vício, a dependência química, o latrocínio e as desvirtualidades de um caráter pervertido e imoral?

 

Os psiquiatras e psicólogos estão atentos para este tipo de problemas, mas a grande verdade é que existem problemas de ordem espiritual, que mexe com o coração, com a fé, que somente um sacerdote experimentado pode auxiliar pessoas, levando-as ao crescimento e maturidade espiritual, restaurando vidas pelos sábios princípios das Sagradas Escrituras.

 

 

 

 

I - PROBLEMAS  HUMANOS QUE AFETAM A EMPRESA E QUE PODEM SER TRATADOS PELOS PRINCÍPIOS BÍBLICOS ESPIRITUAIS

 

Parece estranho à primeira vista. Mas, a realidade é que a espiritualidade no local de trabalho já está se tornando uma forte tendência. As empresas estão descobrindo que não basta investir somente nos programas de redução de custos e treinamentos avançados para seus empregados. É necessário investir também no “coração”, na alma deles. Um operário ao chegar à empresa pode ir direto ao toalete, trocar de roupa, se equipar com os itens de segurança, ler a ordem do dia, etc., mas, não pode trocar suas emoções ou mesmo alterar instantaneamente seu estado de espírito. Um executivo ao sair de sua casa não deixa para trás sua ansiedade, preocupação, e mesmo seu stress e estado de pressão no qual vive imposto pelo cumprimento de metas e de prazos diários.  A bíblia ensina o equilíbrio do espírito, da alma e do corpo. Muitos ainda ignoram estes antigos e divinos princípios, tratando o homem somente sobre o prisma psicossomático, quando na verdade o homem é mais complexo do que isto, pois ele foi criado como um ser pneuma-psicossomático.

Gostaria a seguir de elucidar, enumerando alguns tópicos correlacionando a espiritualidade com base no conhecimento da bíblia com os benefícios que ela pode trazer a empresa.

Vários problemas humanos têm afetado diretamente as empresas, quer em termos de desempenho, quer até mesmo em termos de resultados, metas, etc. Citemos alguns exemplos:

-          Absenteísmo devido ao alcoolismo, drogas, e outros tipos de dependências;

-          Problema psicológico, chamado também de doenças da alma, tem afetado o relacionamento interpessoal, comprometendo o trabalho em equipe e a produtividade são vários, como: desmotivação, irritabilidade, insegurança, sentimentos de rejeição, amargura e de baixa estima, complexos, introversão, bloqueios psíquicos, insônia, impaciência, sentimento de vazio, desespero, desilusão, solidão, desequilíbrio emocionais, etc.

-          Problemas psíquicos citados acima implicam quase sempre em doenças para o corpo. Conseqüências: ausência ao trabalho, acidentes de trabalho, demissões prematuras, etc.

-          Problemas decorrentes da baixa utilização da capacidade humana e potencial, como falta de criatividade, falta de motivação, falta de fé, esperança, perseverança, falta de maturidade para enfrentar situações difíceis e inesperadas, dor e sofrimentos, etc.

-          Claro que existem outros inúmeros problemas entre o homem e a empresa, como assédio sexual, comportamentos estranhos e perigosos, latrocínio, etc.

Mas, onde entra aqui a espiritualidade? Muitos dos problemas acima são portas abertas para males espirituais. O remédio para os problemas de causa espiritual está na oração, na libertação e no ensino dos princípios bíblicos. Por exemplo, sabemos que pela fé no Filho de Deus e por meio de orações e jejuns, indivíduos podem ser libertos de drogas, da amargura, da falta de perdão, da prisão ao passado, de bloqueios psicológicos, etc.

Como as Sagradas Escrituras tratam da espiritualidade, da fé, do relacionamento do homem com Seu Criador, indicando-lhe os princípios e leis divinas que o conduzirão a uma vida de plenitude e crescimento espiritual, os problemas citados acima incorrerão bem menos naquelas pessoas que optaram por levar uma vida de fé e prática, uma vez que a bíblia é livro, sobretudo de conserto e restauração de vidas humanas.

 

II - EXEMPLOS DE CONCEITOS E PRINCÍPIOS BÍBLICOS QUE PODEM TRAZER BENEFÍCIOS A EMPRESA

Vejamos, então, alguns conceitos no contexto bíblico que podem trazer benefícios às empresas

 

 

 

1.      O homem é um ser espiritual

 

O homem é, antes de tudo, um ser tremendamente espiritual. Ele é um ser pneuma-psicossomático e tratá-lo fora desta realidade seria desastroso, pois esta espiritualidade só se manifesta quando se conhece os atributos do Deus criador, se aproximando e interagindo com Ele.

Creio que a barreira da religião está sendo quebrada aos poucos. Nossa Constituição garante o direito de credo e por que não se pode um indivíduo expressar suas crenças e convicções num ambiente de trabalho? Hoje já não é tão vergonhoso abordar a fé no serviço. Muitas vezes o fiz entre colegas, funcionários, e até mesmo, com os clientes e amigos da empresa e ajudei a muitos.

 

2.      Ser x Ter

 

O grande problema num mundo cada vez mais competitivo e globalizado é que os parâmetros e sucessos estão centrados no verbo “Ter” e nem sempre no verbo “Ser”. Qualquer estudioso da bíblia sabe que na língua hebraica não existe o verbo “Ter”. Todo o estilo de vida e aprendizado deveria voltar-se para o verbo “Ser”. Por isso, o homem foi criado à imagem e semelhança do Criador para “ser”, dominar coisas e situações difíceis, para criar e ser gestor de soluções, vencer obstáculos, enfrentar tribulações e ser vitorioso. A verdade é se somos, então, viremos a possuir algo. Ou melhor, existirá algo a nossa disposição da qual podemos usar e desfrutar. Na verdade não somos donos de nada se olhamos para a eternidade. Os valores, espirituais, morais, éticos e sociais são tão quão importantes e até mesmo mais nobres como os conceitos técnicos, científicos e políticos. Quem dera que todo conhecimento e técnica pudessem resolver problemas e conflitos, engendrando eficientes soluções e maduras atitudes humanas!

 

 

3.      A fé

 

A conclusão é que há algo sobrenatural que pode nos ajudar. É necessário utilizar-se e valer-se da fé. Não só em si mesmo, mas, sobretudo, em Deus, pois o homem tem suas limitações naturais. A bíblia nos ensina que pela fé chamamos a existência daquilo que não existe. A bíblia define a fé como o “... firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem.” (Hebreus 11,1). Se o próprio Jesus disse que a palavra de fé pode remover montanhas, imaginem se estes princípios fossem aplicados diariamente em nossas vidas. Com certeza teríamos mais esperanças pelo amanhã.

 

4.      Reconhecendo o erro e pedindo perdão

 

Atitudes como reconhecer o erro, pedir perdão com mudança de atitudes se aprendem na bíblia. O Antigo Testamento, destacando os livros da “Torá” (o pentateuco),  os livros  da sabedoria e os livros dos profetas, além do Evangelho de Jesus e das  cartas paulinas são na verdade muito mais do que um excelente e eficiente compêndio para uma vida de sucesso, de qualidade, de equilíbrio e, até mesmo, para os que crêem, uma fonte de uma vida que é eterna. Um indivíduo que não reconhece o erro, não se libertará dele. A falta de perdão entre colegas gera conflitos, revanchismos, rixas e, conseqüentemente, grandes perdas para as empresas. Imaginem rixas e inimizades em níveis mais alto como superintendência e diretoria? Toda a empresa perde, pois os setores passarão a competir entre si, tornando obstáculo para o objetivo comum da empresa: o lucro e a satisfação de seus clientes e fornecedores.

 

5.      Líder e liderança

 

Um bom exemplo bíblico é o conceito de líder e liderança. Ele é bem contrário daquele conceito grego-romano que todos nós aprendemos nas escolas, como por exemplo, líder é aquele que sabe mais, o que se destaca mais, controla, domina, etc. ...”Antes, qualquer que entre vós quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva.” Disse Jesus aos seus discípulos (Mateus 20:26). Assim, o verdadeiro líder não impõe, nem domina e tão pouco controla os outros. Ele serve aos outros. Ele não precisa de seguidores, pois seu anseio é sempre formar outro líder. O líder nos padrões bíblicos pode ser comparado a um maestro de uma orquestra que não necessariamente precisa saber tocar todos os instrumentos musicais. Ele conhece o violonista e o respeita. Ele distingue o saxofonista e o trompetista. Ele valoriza o pianista e destaca o baterista. São todos instrumentos distintos e de diferentes materiais, formas, qualidades e de sons, mas o maestro tem a capacidade de colocar todos juntos tocando harmoniosamente ao mesmo tempo, numa rítmica perfeita e sintonia. Mas, ele sabe que nunca pode exigir que um baterista toque violoncelo e que este saiba manejar uma clarineta. Ele respeita o som e a qualidade de cada instrumento. Mas, consegue que todos estejam afinados na mesma melodia. É realmente uma arte e a grande verdade é que o maestro não é a pessoa mais importante da orquestra. Todos são importantes e precisam desempenhar bem seus papéis. Mas, sem o maestro não há orquestra. Sem líder não há liderados.

 

6.      Autoridade x Obediência

 

Outro bom exemplo bíblico são os conceitos de autoridade, submissão e responsabilidade. A autoridade pode ser sempre absoluta, mas a obediência é relativa. Este conceito, se bem explorado evita grandes tragédias numa empresa.

 

7.      Desenvolvendo uma mente criadora (o potencial)

 

Se cremos que viemos de Um Criador, de Ser Onipotente, Onisciente e Onipresente, e que podemos através da oração nos relacionarmos com Ele, então, nossa dimensão espiritual será também grande e muito produtiva e rica. Pois, o conceito de pobreza é a ausência de sonhos e idéias. Quem não tem sonhos e idéia nada pode realizar e será considerado pobre, mesmo se tal pessoa tiver uma grande fortuna guardada no banco. É necessário ser livre para criar. Uma mente escravizada, presa, vazia, oprimida não pode criar, planejar, tão pouco sonhar e realizar algo. Afinal dizia o apóstolo Paulo ...”Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e aquele que semeia em abundância, em abundância também ceifará.”(2Corintios 9:6). Os livros bíblicos nos ensinam que potencial sem trabalho é pobreza. Pelas Escrituras sabemos que há uma grande maldição em muitos países, cujos cidadãos não gostam de trabalhar. Querem aposentar-se cedo, e passam seus anos sonhando em só ganhar na loteria.

 

 

8.      Desempenhando uma boa administração

 

A bíblia é riquíssima fonte de provérbios e princípios válidos e aplicados à administração e à produtividade. Os conceitos de trabalho, de família, de moral, de perseverança e de fé conduzem aquele que crê para uma posição privilegiada. Nem sempre aquele que é rico é próspero e produtivo. Pode-se observar que nem todo país que possui um rico solo e subsolo são os mais desenvolvidos e mais prósperos. Pelo contrário, são atrasados e subdesenvolvidos. Onde está o problema? Com certeza no modo da organização e administração.

 

9.      A saúde para a alma e o corpo

 

Se um indivíduo vive uma vida de fé e prática na Palavra de Deus, ou seja, espiritual, conseqüentemente, ele goza de bom estado de alma (vida mental e emocional). Seu corpo passa a ser o termômetro de sua saúde espiritual. A bíblia afirma que aquele que ouve, guarda e pratica os princípios da Palavra de Deus, terá saúde para o seu corpo. (Provérbios 4:20-22). Um seguidor da doutrina bíblica conhece bem as chamadas “obras da carne”, a qual trata com a bebedice e outras dependências e vícios. O absenteísmo devido ao alcoolismo, por exemplo, é um fato trágico nas empresas. O uso de drogas também é algo preocupante. A grande verdade que tenho vivido é que a Palavra de Deus liberta e torna o homem livre.

 

10.  Poder de restauração da Palavra pela oração

 

O que mais me impressiona ainda é o poder da Palavra na bíblia. Há poder nessas palavras. Não é só questão de uma simples fé nelas. O poder desta Palavra na restauração de nossa alma, nosso caráter, nossos sentimentos e emoções é incrivelmente eficaz. Nos meus 25 anos de dedicação nesses estudos pude ser curado de traumas, amarguras, depressões, rejeições, limpando a mente de qualquer insegurança quanto ao presente e, principalmente, quanto ao futuro. O falar com Deus é super importante, pois impartimos da sua natureza, recebendo dEle, seus frutos espirituais, como: paz, alegria, amor, benignidade, paciência, mansidão, domínio próprio, etc. Imaginem pessoas nas empresas imbuídas desses atributos de Deus ! Seria algo impossível? Ilusão? Ou de possível realização? Quando trabalhei com colegas que tinha a prática da fé, nossa produtividade, relacionamento funcional e de amizade, criava um clima propício de confiança e bem estar. Será que tal clima de trabalho não gerará maior produtividade e resultado?

 

11.  Ensina-nos a enfrentar forças opositoras e inimigas

 

A bíblia nos ensina a relacionarmos com nossos inimigos, concedendo-nos uma posição de vantagem sobre eles. Quanto aos inimigos espirituais, assim denominados, as estratégias são outras, valendo-se até de jejuns e orações.

 

12.  São mais de 8.000 promessas ou bênçãos existentes na bíblia que podem ser explorados e difundidos

 

Os estudiosos da bíblia afirmam que nela contém mais de 8.000 promessas, também chamadas de bênçãos ou heranças espirituais que o próprio Deus de Israel nos ensina, nem somos capazes de imaginar o tamanho de benefícios que um cidadão ganha. Prosperidade, alegria, paz, domínio e controle de situações difíceis, salvação e eternidade, etc. são apenas alguns exemplos. Um indivíduo que volta para uma vida espiritual só tem a ganhar. Aliás, todos ganham. Pois, não podemos nos esquecer que um indivíduo não vive isolado. Assim, a família ganha, os vizinhos ganham, a comunidade local ganha, a sociedade ganha e, claro, as empresas ganham.

 

Não será esta hora oportuna, no momento de crises e de dificuldades por todos os lados, valer-nos da fé, da oração e da espiritualidade? Ou ficaremos naquela de sentir vergonha por aquilo que se crê, sendo que o crer em Deus é natural e normal do homem.

Será que seria incômodo e desconcertante se as empresas permitissem que seus empregados reunissem nos intervalos de almoço ou mesmo antes ou após do expediente para orarem juntos e compartilhar da Palavra de Deus?

Será a hora de abandonar este tabu da religião e deixar livres aqueles que crêem e que podem abençoar a si mesmo, os colegas e a empresa?

A propósito, abençoar no Antigo Testamento que dizer “...conceder poder e autoridade a alguém para alcançar sucesso, prosperidade, fecundidade, longevidade, etc.

  Eu creio que quando as empresas, entidades, autarquias, universidades descobrirem a eficácia e os bons resultados que um sistema de capelania pode trazer a curto prazo, elas irão investir neste sistema.