ENGENHARIA DA TRANSFORMAÇÃO

"Transformai-vos pela renovação da vossa mente para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Apóstolo Paulo).

A engenharia da transformação pela fé e por intermédio do conhecimento da Palavra que trás vida marcarão os passos para um crescimento e maturidade no campo espiritual, bem como na área psico-social. O velho ditado já dizia “mens sana, corpore sano” (mente sã gera um corpo são).

A ênfase da engenharia espiritual está em explorar ao máximo os conceitos e princípios da filosofia judaico-cristã, sem, contudo, desconsiderar as outras linhas filosóficas e religiosas. Não se trata de definir qual é a filosofia mais certa e coerente. Mas, sim, de apresentar princípios que podem mudar, salvar, libertar e restaurar a vida do homem à medida que são experimentados e vividos.

Se a Bíblia é considerada e reconhecida por todos como o maior best-seller já publicado na história da humanidade, por que não explorar suas verdades e descobrir seus ricos princípios independentemente do nosso credo?

O direito de ter fé e se expressar por ela é uma peculiaridade da Engenharia Espiritual. Da mesma forma que o respeito e a tolerância ao direito de credo de cada cidadão devem ser resguardado independente da cultura e tradições de cada povo espalhado pelo planeta terra.

Considerando a Bíblia e sua incomensurável riqueza e aplicabilidade em termos práticos no dia-a-dia, constataremos que ela nos proporciona de forma inesgotável uma excelente qualidade de vida, trazendo-nos segurança, maturidade frente às adversidades e situações de conflito e de dor.

Assim, o espírito e a alma do homem proporcionam um ambiente propício para a criatividade e melhor desempenho no trabalho.

Vários problemas pessoais, familiares, sociais e até mesmo empresariais poderiam ser resolvidos de modo simples e eficaz pelo conhecimento desses princípios bíblicos, a sabedoria milenar.

Uma vez perguntaram a Einstein como ele conseguiu criar e desenvolver tão sabiamente a teoria da relatividade? Einstein respondeu que não havia criado nada e que nem era o autor de nada. Ele, simplesmente, conseguiu desvendar um pouquinho das leis que já existiam na natureza e que vieram de uma mente divina e criadora.

De fato Einstein tinha razão, pois o homem nunca criou nada, apenas é capaz de descobrir princípios e leis que já existiam e que aglutinados sabiamente passam a gerar algo físico que beneficia o homem.

“A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma” (Rei Davi).